VAMOS AOS FATOS III

O convênio visando a construção da obra foi assinado por ZH em 31 de dezembro de 2007 e o prazo para a conclusão da mesma era de 6 meses.

Zé Hélder só apresentou Prestação de Contas final à FUNASA em 26 de outubro de 2010, 3 anos após o prazo do convênio.

No ofício da Prestação de Contas (lembre-se, em outubro de 2010), Zé Hélder afirma que a obra estava concluída, em perfeito estado de conservação e em plena utilização pela população que ele tanto ama. Dá pra acreditar?

E ainda juntou à Prestação de Contas uma declaração assinada por FRANCISCO MÁXIMO DE MENEZES, engenheiro da prefeitura, confirmando a finalização da obra. Isso para sacar o dinheiro. A declaração de finalização da obra era condição para o saque da grana.

Lá na frente, quando do seu depoimento perante o MPF, FRANCISCO MÁXIMO DE MENEZES confessou o crime (falsificação de documento público) e disse que assinou o documento atestando que a obra estava concluída para que o dinheiro fosse sacado a pedido de ZH e ainda por sugestão de Marcos Saldanha, após reunião em Fortaleza.

Só que a obra não estava concluída, aliás, quase nem havia sido iniciada, conforme veremos nas postagens a seguir: